segunda-feira, 7 de julho de 2008

Existencial


Um rebelde de causa indefinida,
porque são muitas causas e cousas ao mesmo tempo.

Aquele pêlo que desponta na sobrancelha,
a pulga que nasce atrás da orelha,
a pele que rasga e sangra,
suco que move e comove,
tudo é motivo para causar.
Eternamente na “eternidade” efêmera de um dia acabar,
morrer,
soçobrar,
como um barco furado na “infinitude” finita do mar.
Como as causas fazem as cousas e as cousas transformam as causas,
como você passa a bola,
enrola,
para tentar se enganar.
Não basta.
A verdade é certeira,
Vai perseguir-te,
Para sempre lembrar:
A vida é só uma, tão grande e pequena, e vai te matar.

.
.
.imagem: Edgar Degas

3 comentários:

mariana disse...

válvulas de escape...

gostei do seu estilo também!
muito bom o blog.

beijos :*

Pablo Petro disse...

Neste final de semana passei por um lugar "místico" e enquanto observava artesanatos, uma garota se aproximou do mestre e perguntou: - minhas energias estão boas? E ele: - um pouco dispersas! - O que é isso eu vou morrer? - ahh, isso com certeza minha filha!!!

bjos e passo por aqui mais vezes.

Tatiana disse...

Cousas e mais cousas... Bem escritas, bem colocadas, bem absorvidas.
Adorei, simplesmente.